Pesquisa personalizada

31 de dezembro de 2007

PEQUENO DESVIO PELA ACTUALIDADE INTERNACIONAL

Para quem tem acompanhado as notícias sobre a investigação do assassínio da antiga primeiro-ministro paquistanesa Benazir Bhutto, é impossível não ter um sorriso amarelo sempre que o porta-voz do governo do presidente Musharraf, o brigadeiro Cheema, aparece a falar inglês com o seu grande bigode; só me lembro daquela série cómica da BBC, "Goodness Gracious Me", sobre os indianos em Inglaterra. Essa comparação um tudo nada de humor negro reapareceu hoje quando li que o brigadeiro explicitou a rejeição pelo governo paquistanês da colaboração de investigadores ingleses dizendo que os investigadores estrangeiros não estão inteiramente a par do que se passa no Paquistão, e rematando com a seguinte frase: "A Scotland Yard não pode investigar no Waziristão. Não falam pashto". 

Se tudo isto não fosse tão perturbantemente real, seria hilariante. 

30 de dezembro de 2007

OBRIGADO AO BASTONÁRIO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS

...por nos dizer, na capa da "Revista da Qualidade" distribuida gratuitamente com o Público de sexta-feira, que a "medicina dentária portuguesa vive um momento histórico". Sinto-me feliz e realizado por viver neste grande momento histórico para a medicina dentária portuguesa, imediatamente antes de atirar a "Revista da Qualidade" para o caixote do lixo do papel a reciclar juntamente com a quantidade de papel absurda que os jornais de fim-de-semana trazem sem que ninguém esteja realmente interessado nele. 

29 de dezembro de 2007

2007 IMAGENS

1. Letters from Iwo Jima/CARTAS DE IWO JIMA, Clint Eastwood, 2007
2. Ratatouille/RATATUI, Brad Bird & Jan Pinkava, 2007
3. The Fountain/O ÚLTIMO CAPÍTULO, Darren Aronofsky, 2006
4. Moartea Domnului Lazarescu/A MORTE DO SR. LAZARESCU, Cristi Puiu, 2004
5. Sunshine/MISSÃO SOLAR, Danny Boyle, 2007

seguidos de

300/300, Zack Snyder, 2007
Death Proof/À PROVA DE MORTE, Quentin Tarantino, 2007
Across the Universe/ACROSS THE UNIVERSE, Julie Taymor, 2007
ANGEL, François Ozon, 2006
Shoot 'Em Up/ATIRAR A MATAR, Michael Davis, 2007
Knocked Up/UM AZAR DO CARAÇAS, Judd Apatow, 2007
Flags of Our Fathers/AS BANDEIRAS DOS NOSSOS PAIS, Clint Eastwood, 2006
The Good German/O BOM ALEMÃO, Steven Soderbergh, 2006
The Good Shepherd/O BOM PASTOR, Robert de Niro, 2006
Bug/BUG, William Friedkin, 2006
The Golden Compass/A BÚSSOLA DOURADA, Chris Weitz, 2007
CALLE SANTA FE, Carmen Castillo, 2007
Iklimler/CLIMAS, Nuri Bilge Ceylan, 2006
Stranger than Fiction/CONTADO NINGUÉM ACREDITA, Marc Forster, 2006
Control/CONTROL, Anton Corbijn, 2007
Gwoemul/A CRIATURA, Bong Joon-Ho, 2006
Blood Diamond/DIAMANTE DE SANGUE, Edward Zwick, 2006
Half Nelson/ENCURRALADOS, Ryan Fleck, 2006
Hot Fuzz/ESQUADRÃO DE PROVÍNCIA, Edgar Wright, 2007
FARVÄL FALKENBERG, Jesper Ganslandt, 2006
Fay Grim/FAY GRIM, Hal Hartley, 2006
El Laberinto del Fauno/O LABIRINTO DO FAUNO, Guillermo del Toro, 2006 
Stardust/O MISTÉRIO DA ESTRELA CADENTE, Matthew Vaughn, 2007
NE TOUCHEZ PAS LA HACHE, Jacques Rivette, 2006
LE PAPIER NE PEUT PAS ENVELOPPER LA BRAISE, Rithy Panh, 2006
Paranoid Park/PARANOID PARK, Gus van Sant, 2007
PERSEPOLIS, Marjane Satrapi & Vincent Paronnaud, 2007
Planet Terror/PLANETA TERROR, Robert Rodriguez, 2007
Eastern Promises/PROMESSAS PERIGOSAS, David Cronenberg, 2007
Renaissance/RENASCIMENTO, Christian Volckman, 2005
RETOUR EN NORMANDIE, Nicolas Philibert, 2006
Shortbus/SHORTBUS, John Cameron Mitchell, 2006
Das Leben der Anderen/AS VIDAS DOS OUTROS, Florian Henckel von Donnersmarck, 2006
Zidane - a 21st Century Portrait/ZIDANE, UM RETRATO DO SÉCULO XXI, Douglas Gordon & Philippe Parreno, 2006
Zodiac/ZODIAC, David Fincher, 2007

25 de dezembro de 2007

MAS COMO HA SEMPRE MAIS DO QUE UMA PERPLEXIDADE NATALÍCIA

Uma das coisas que mais me irrita no Natal é a quantidade absurda de papel de embrulho e embalagens bonitas em que se investe para acabarem no caixote do lixo no dia seguinte. Eu nisso sou muito mais económico: reciclo revistas e jornais antigos. Mas como a quantidade de prendas tambem não é descomunal não reciclo tanto como poderia. 

A SOLUÇÃO DA PERPLEXIDADE NATALÍCIA

Afinal, a barulheira natalícia era a vizinha de cima a montar os móveis novos. 

24 de dezembro de 2007

A PERPLEXIDADE NATALÍCIA

Alguém que me explique s. f. f. porque raio é que alguém se lembra de fazer furos e martelar a parede numa véspera de Natal. 

23 de dezembro de 2007

MELHOR QUE UM GATO, SÓ MESMO DOIS GATOS



D. Diogo partilha um momento de entendimento com D. Noémia, a Diva de Carnaxide, que veio passar o Natal cá a casa. Ou melhor: veio dormir cá a casa pelo Natal, que ela não tem feito outra coisa (nem ele, já agora).

21 de dezembro de 2007

ERA DISTO QUE ESTÁVAMOS TODOS À ESPERA

Na capa da Economist desta semana vem referida uma peça que vem no interior sobre a vida sexual dos pandas.

19 de dezembro de 2007

CHAMEM A POLÍCIA QUE EU NÃO PAGO

No metro do Marquês de Pombal perto da hora do almoço, uma senhora de voz rouca e chapéu-de-chuva encharcado resmunga em voz muito alta que ressoa de modo particularmente sonoro na acústica da estação a dizer que não tem a renda em atraso não senhor a um senhor que diz que isso não é nada com ele e ela que vá queixar-se à senhoria.

18 de dezembro de 2007

É NATAL, É NATAL

... e na mesa ao lado da minha no restaurante onde hoje almocei, três senhoras com aspecto de funcionárias públicas suburbanas e um senhor com ar de chefe de secção terminam o almoço, depois da sobremesa e do café, trocando lembrancinhas de Natal minuciosamente embrulhadas em papel festivo e transportadas em sacos de papel alusivos à quadra (ah, aquele Pai Natal bonacheirão tão típico de saco industrial de loja dos 300), que vão dos anjinhos decorativos às molduras com espaço para toda a família incluindo o novo netinho — as lembrancinhas que das duas uma: ou são logo enfiadas no fundo de uma gaveta ou numa prateleira recôndita do armário para de lá só sairem no caso de visita do ofertador; ou são consideradas giríssimas e ocupam desde logo lugar digno por entre o bric-à-brac de bugigangas que preenche cada recanto da lareira, da cómoda ou da cristaleira lá de casa.

INTERROMPEMOS ESTE PROGRAMA PARA UMA INFORMAÇÃO IMPORTANTE

Em condições iguais de temperatura e pressão, uma bela sopa de espinafres caseira é infinitamente mais saudável do que processar vencimentos.

17 de dezembro de 2007

PARABÉNS A VOCÊ

Cumpriram-se ontem quatro anos em roda livre. Obrigado por continuarem a estar aí.

ELÉCTRICO 28

É verdade que era sexta-feira, a pouco mais de uma semana do Natal, perto das oito da noite, e que sair do emprego a essa hora não deixa ninguém genuinamente bem disposto — mas isso não invalida que a mocinha que subiu para o 28 comigo na Basílica da Estrela e passou toda a viagem até à Sé a desabafar em voz alta com a amiga do outro lado do telemóvel como quem está a gritar com alguém na sala lá de casa me tenha deixado no mínimo atordoado. Senti-me - e penso que também os outros passageiros - como se estivéssemos a assistir a uma discussão para a qual não tínhamos sido convidados, só que num lugar público.

15 de dezembro de 2007

OS PUBLICITÁRIOS SÃO UNS EXAGERADOS

Ninguém é capaz de explicar ao pessoal de Nestlé que aquela campanha do ice tea da geração mudasti não tem graça nenhuma? Ou era mesmo essa a ideia?

SEXTA-FEIRA (NEM QUE CHOVA)

Maravilha: quando o frio mais aperta, o esquentador dá a alma ao criador (antes o esquentador que o aquecedor, o gato agradece), e descubro que a "cantina" do outro lado da rua onde almoço quando trabalho por casa vai fechar de vez. Dois copos de vinho tinto ao jantar e, hop!, a gargalhada não engana, bebo tão pouco que quando bebo a coisa nota-se logo. Três da manhã e estou a ressonar, o alarme toca às nove porque tenho onde estar às onze mas só acordo às dez e meia e tenho de sair badalhoco porque não há esquentador. Antes o esquentador que o aquecedor, nisso estou com o gato. Viva os sábados no cadeirão da sala com o banho tomado, o aquecedor ligado e o gato a dormir enroscado no sofá (porque eu estou sentado no cadeirão para insatisfação felina), o Henrique Sá Pessoa a fazer comida de goa e a salada de alface e rúcola com atum, azeitonas e massa biológica para um jantar leve. Estão ali uns biscoitos de canela a rir-se para mim, mas hoje não pode ser, que o bolo de banana com pepitas de chocolate encheu-me as medidas ontem.

13 de dezembro de 2007

OLHANDO DUAS VEZES

Dulce Pontes actuou para os dignitários que assistiram à assinatura do Tratado de Lisboa. Mas, a julgar pela amostra que passou no noticiário da noite, aquilo não era a Dulce Pontes mas sim um clone disposto a fazer ruir a sua reputação e a destruir-lhe a carreira. Não encontro outra explicação, a sério. É que para ser Kate Bush não chega querer.

POST FELINO SEMANAL

O desporto preferido do meu gato Diogo é saltar-me para os ombros várias vezes ao dia e mordiscar afectuosamente as minhas orelhas enquanto se roça na minha nuca. Tem imensa graça até ele ferrar os dentes no lóbulo com um ronronar afectuoso ou até ele decidir que quer ver ao que sabe o meu nariz e se esticar para tentar mordê-lo.

Gato pode ser amor, como diz a minha amiga Marta, mas gato é também a prova que o amor magoa. (Soa melhor em inglês, eu sei.)

12 de dezembro de 2007

OLHANDO DUAS VEZES

Acabei de ver Ricardo Quaresma de boné a falar ao Jornal da Noite a propósito da vitória do Porto sobre o Besiktas.

O problema é que me pareceu ver Nuno Guerreiro, vocalista dos Ala dos Namorados, e não Quaresma. Seria do boné?

O FATO DE TREINO FAJUTO EM COR GARRIDA

Num azul muito forte e com um ar baratucho, e reproduzindo na perfeição o logotipo da Adidas, usado por um senhor barrigudo de cabelo encaracolado com uma T-shirt branca por baixo no metro em direcção a Benfica.

Só que, em vez de Adidas, dizia Acliclas.

11 de dezembro de 2007

OS PAIS NAO DEVIAM MESMO GOSTAR NADA DELE...

O senhor que apareceu hoje na televisão envolvido em mais um caso complexo de custódia de uma criança adoptada (não retive se estava do lado da família de acolhimento ou da família biológica, as minhas desculpas, mas também para o caso não vem ao caso) chamava-se Délio Carqueija.

10 de dezembro de 2007

BALCANIZAR POR AÍ

Ou como o Largo do Chiado foi invadido por uma mini-orquestra klezmer-Kusturica à hora do almoço de segunda-feira e ficamos todos um bocado sem saber o que fazer.

DESPORTIVISMO

No espaço de dois minutos num resumo de um jogo da liga inglesa (Premier League) na Sport TV, vejo um jogador a tirar macacos do nariz, outro a cuspir e outro a escarrar. O desporto é uma coisa linda.

MÚSICA NO GINÁSIO #31

Porque carga d'água este homem canta desta maneira extraordinária e nunca na vida fez um álbum decente nunca hei-de perceber. "System" (Warner Bros., 2007) é mais do mesmo: duas grandes canções (e esta, infelizmente, não é uma delas) chamadas "If It's in My Mind, It's on My Face" e "Just Like Before", uma produção de luxo (desta vez, Stuart Price, ele de Les Rythmes Digitales, ele de Madonna) e a sensação de que esta voz merece mais e melhor.

8 de dezembro de 2007

5 de dezembro de 2007

4 de dezembro de 2007

O MELHOR BOLO DE CHOCOLATE DO MUNDO

É como o restaurante da Cinemateca, 39 Degraus de seu nome, chama ao seu hedonista bolo de chocolate. Não tenho certeza que seja o melhor bolo de chocolate mas lá que é bastante bom é. A ver se agora não me afinfo à sobremesa durante o resto da semana.

3 de dezembro de 2007

EU NÃO PEÇO DESCULPA

A partir deste momento, telefone, internet, está tudo desligado. Estou a entrar em estágio para o final da melhor série de televisão de sempre (desde a última melhor série de televisão de sempre e até à próxima melhor série de televisão de sempre).

2 de dezembro de 2007

ISTO DE UMA PESSOA NÃO ESTAR HABITUADO

Uma pessoa às tantas esquece-se que já é Dezembro e só dá por isso quando tem de ligar o aquecedor para a casa ficar aconchegadinha.

1 de dezembro de 2007

OS A PRENDA

Porque é que eles insistem todos em chamar-lhes "os The Gift" quando a formulação correcta seria "os Gift"? Afinal, ninguém diz "os The Beatles" ou "os The Rolling Stones" (embora "os The Who" já seja mais dúbio).

INTELIGÊNCIA PRÁTICA

É coisa que, lamentavelmente, só tenho para algumas coisas.