Pesquisa personalizada

10 de janeiro de 2007

SIM OU NÃO?

Respeito as convicções daqueles que defendem acesamente o "não" à interrupção voluntária da gravidez, e daqueles que defendem acesamente o "sim". Mas acho que, em última análise, a decisão de abortar ou não abortar não é uma decisão da sociedade, é uma decisão da mulher que se coloca a questão de o fazer ou não. É uma decisão solitária, pessoal, intransmissível — e é por isso que todas estas discussões sobre o aborto me parecem, na maior parte das vezes, retóricas, teóricas, distantes da realidade das mulheres que enfrentam a decisão. Acho que abortar é uma decisão da mulher e de mais ninguém, e por isso sou contra qualquer tentativa de a impedir de tomar a sua decisão em plena liberdade. É sempre muito fácil querer decidir pelos outros, mas, mesmo com toda a boa vontade do mundo, a verdade é que cada caso é um caso.

Dito isto, os defensores do "sim" irritam-me por terem aquela superioridade moral típica dos liberais que não compreendem como é que pode haver quem não concorde com eles, e os defensores do "não" irritam-me porque parecem querer acreditar que tudo ficará bem com uma vitória do "não" (quando ela apenas prolongará os riscos desnecessários dos abortos ilegais). Se querem a minha opinião, acho que falta nesta conversa toda um pouco de bom senso — coisa que, geralmente, as mulheres até têm mais que os homens.

2 comentários:

Lia disse...

Absolutamente de acordo : )

Não sou 100% pelo sim nem 100% pelo não. Mas basta-me ver a campanha e os anúncios quer de uma banda, quer de outra, para ficar nauseada... Quanta demagogia junta, Deus meu...

inêsgens disse...

Onde é que eu posso assinar? Não me parece razoável que se submeta a referendo uma questão de consciência, portanto, subscrevo.