Pesquisa personalizada

25 de fevereiro de 2008

O SOSSEGO DO FELINO

Um gato pode ser tão insuportável como uma criança birrenta quando decide que é isto que ela quer e mais nada — e o Diogo tem os seus ataques quando lhe dá para começar a perseguir cabos de carregadores de telemóvel (à última contagem, já ia em cinco destruídos). 

Mas um gato é também capaz de ser um momento de pausa retemperadora quando ele nos obriga a interromper o que quer que seja que estamos a fazer com as suas turras e os seus ronronares — como quando, estava eu a ver o telejornal depois de jantar, o Diogo me saltou para o colo e, ronronando, se enroscou em cima da minha barriga como se fosse a almofada preferida dele, e se deixou ali ficar um quarto de hora ronronando enquanto eu lhe fazia festas no lombo peludo.

Nesses momentos do sossego do felino, em que ele dormita descansado com um esboço de sorriso no focinho que, visto em grande plano, sugere o de um grande leão ou tigre descansando, parece que está tudo bem com o mundo. 

2 comentários:

Zu disse...

:-)

menina-alice disse...

pior que isso é a muito provável pelo menos co-autoria na desconexão abrupta de um dos 5000 cabos da Playstation...