Pesquisa personalizada

31 de março de 2011

um bom modo de garantir que os psicólogos continuarão a ter clientela

O pai não é capaz de se calar, a dizer ao filho (novinho, novinho, eu diria escola primária) que "o que pediste para almoçar está a levar muito tempo", "assim não conseguimos chegar a tempo", "assim é muito apertado ir buscar-te para almoçar e depois voltar a tempo da escola", "da próxima vez vamos ao McDonald's".

Fiquei com vontade de esbofetear o homem e de lhe dizer: pare lá com essa merda, a culpa não é do miúdo que não tem idade ainda para perceber essas coisas. É sua que não pensou nisso e quis fazer a vontade ao miúdo e agora arrependeu-se. Não o fiz. Mas não sei se não devia ter feito.

28 de março de 2011

ajuda sinhôr

Não sou apologista das brincadeiras com a miséria alheia (embora confesse que, depois de ter lido isto e suas sequelas, percebo que o humor negro seja a única maneira de lidar com certas coisas).

Mas há qualquer coisa de simultaneamente perturbante e ridículo quando vejo o mesmo pedinte romeno que quase grita "ajuda sinhôr" enquanto estica o copo onde pede e estica o corpo em direcção às pessoas que entram no supermercado noutros sítios consoante a hora ou o dia. Num dia vejo-o à porta do Minipreço da Alexandre Herculano, noutro à porta de uma pastelaria de Campo de Ourique, noutro ainda à porta do café ao lado da Cinemateca, às vezes a encontrar-se com uma outra pedinte romena que alterna com ele à porta do Minipreço. É quase como se estivessem a cumprir expediente de acordo com uma escala de serviço.

27 de março de 2011

escolas gerais

O carteirista do 28 só traiu que era carteirista quando, ao sair do eléctrico, deixou-o arrancar antes de vestir o casaco e desatar a correr.

26 de março de 2011

21 de março de 2011

20 de março de 2011

[24]

Vejo Paulo Portas a dirigir-se ao congresso do CDS-PP e lembro-me do que Helena Sacadura Cabral disse há um par de semanas a Nicolau Breyner: "o Paulo abraçou a política como se fosse uma carreira eclesiástica".

19 de março de 2011

título da semana

História do Mundo sem as Partes Chatas


(visto a atravessar a Álvares Cabral na mão de uma rapariga)

17 de março de 2011

o tempo que passa

O tempo, de facto, não faz bem nenhum a algumas coisas. Este álbum, nos idos de 1985/1986, foi coisa que me bateu muito forte. Hoje, confesso que percebo muito bem o "sonho americano" de Jim Kerr e amigos mas já não consigo olhar para ele da mesma maneira. O teledisco, esse, sempre foi um horror.

15 de março de 2011

é terça-feira

Nos noticiários fala-se da crise política, da greve dos camionistas, da tragédia do Japão, dos confrontos na Líbia. Mas no café, de manhã, o televisor está ligado na TVI em altos berros, onde um polícia fardado canta a "Ave Maria" de Schubert com letra em português.

À mesa do almoço, as cinco senhoras confrontam os filmes que têm visto. Falam entusiasmadas de "Algures", "Poesia", querem ir ver "Copacabana", às tantas falam dos olhos de Javier Bardem. A palavra que usam é sempre a mesma: "sensibilidade". No supermercado, os miúdos do liceu em intervalo alarvam no bolo de aniversário da festa de mudança de nome, rodeado de serpentinas e confetti.